Solenidade de Nossa Senhora Mãe do Divino Pastor

Com a presença de alguns paroquianos  (quantidade limitada por conta do isolamento, devido o Covid 19) e os Monges Cistercienses, na frente do Mosteiro de Jequitibá, fez-se a Entrada Pontifical de D. Estevam dos Santos Silva Filho que visitou esta rede de comunidades pela primeira vez após a posse e também com o objetivo de participar da festa da padroeira da rede de comunidades de Jequitibá, Nossa Senhora Mãe do Divino Pastor no dia 11 de outubro do ano corrente.

O rito foi iniciado com o pároco Pe. Antônio José, que apresentou ao bispo o Crucifixo, o qual o bispo beijou e com o aspersório com agua benta, aspergiu aos presentes, enquanto tocava-se os sinos. Seguindo, o pároco falou resumidamente da história que deu origem a devoção a Mae do Divino Pastor, sob a invocação popular de “Divina Pastora”.

O bispo foi conduzido a igreja Abacial/Paroquial, onde foi acolhido pelo povo, com o Hino da Divina Pastora. Logo, se dirigiu ao sacrário para um momento de oração diante do Santíssimo, depois rezou diante do crucifixo e da padroeira, a Mae do Divino Pastor.

Continuando, deu-se início, de forma solene a Santa Missa, presidida por D. Estevam e diversos sacerdotes presentes.


A HISTÓRIA DA PADROEIRA NA REDE DE COMUNIDADES

Deu-se início no ano de 1703, com o aparecimento da Virgem Imaculada vestida de pastora e rodeada de ovelhinhas, ao piedoso frade capuchinho espanhol, Frei Isidoro de Servilha. Em 1795, no pontificado de Pio VI, a Sagrada Congregação dos Ritos, mediante o pedido do bem aventurado Frei Diogo de Cádiz, aprovou os ritos próprios da missa e do Ofício da Divina Pastora.

Nesta região, a Santíssima Virgem Maria passou a ser venerada sob este título de Divina Pastora, a partir do ano 1945, após o consentimento do Exmo. Revmo. Sr. Arcebispo Primaz D. Augusto Álvaro da Silva, e da piedosa fundadora, D. Isabel Fernandes Tude de Souza que mandou transladar para a Igreja do Mosteiro de Jequitibá, a imagem vetusta de Nossa Senhora Mãe do divino Pastor da antiga Sé que se venerava no Mosteiro do Desterro em Salvador.

A irmã Cida Rios Consagrada/Franciscana falou em pouca palavras sobre a Redes de Comunidades Mae do Divino Pastor, que tem mais de 40 anos de existência. A mesma possui uma caraterística bem especifica: totalmente rural, composta por 14 comunidades e a Igreja paroquial que é também a Igreja Abacial do Mosteiro dos Cistercienses. Com o objetivo de evangelizar (defendendo a fé e a vida), oferece ao povo de Deus: catequese, serviços, ministérios e pastorais; trabalho esse coordenado por uma Equipe de Pastoral formada pelo Conselho de Pastoral Administrativo, o pároco, alguns monges e Cida Rios.

Últimas Notícias