Vanessa Leccese para Reggio Emilia

Relatório de Vanessa Leccese para Reggio Emilia

Quantas vezes eu ouvi dizer:

“Não faça um curativo na sua cabeça antes de cair”, “É inútil pensar muito”, “Você se interroga muito sobre as coisas que você faz.’

Mas eu acho que são apenas estas frases, a resposta para quem também me diz que eu sou muito impulsiva. Faltam poucos meses ao meu retorno, mas é inevitável pensar que houve até agora, o que vai acontecer ainda aqui e, em seguida, na Itália.

Obviamente, é impossível tirar conclusões hoje, e eu acho que os meus pensamentos vão parecer confusos, mas que na verdade formam o quebra-cabeça dessa minha grande e importante experiência.

Domingo 21 de maio na diocese teve a “IX Romaria da terra e das Águas”, em memória do 25º aniversário da morte de Dom Matthias, um bispo que marcou a vida de muitas pessoas nesta diocese; e padre Eugenio, italiano que durante muitos anos foi missionário na cidade onde moro, se juntou a nós para este grande evento.

Poder viver junto com as pessoas a alegria de lembrar dom Matthias e depois falar com o padre Eugenio (almoçamos juntos o dia 22) leva-me a pensar sobre o que significa ser missionários, por que sair, viver ao lado das pessoas que lutam, reivindicando seus direitos.

Não é importante vir aqui para fazer grandes discursos ou para dizer que em algum lugar do mundo existe alguém que faz melhor; o que é importante é estar perto, porque é apenas por estarmos juntos que você tem a força para seguir em frente, para lutar e não desistir!!

Também penso aos meus dias aqui e a minha missão: a escola, as visitas às famílias, as conversa com as mulheres, as reuniões com o grupo de jovens ou com as várias pastorais. E por isso eu me pergunto o que nos levou, em nossa sociedade, a ser “forçado” a ter de desistir de tudo para dedicar tempo para outro.

Na Itália, tudo é uma corrida, o trabalho ocupa os nossos dias e o pouco tempo que nos resta, se tivermos sorte o dedicamos às nossas famílias, ou para resolver muitos problemas da vida cotidiana. Talvez o nosso sistema está errado, muitos egoístas, centrados em nós mesmos. E penso em todas aquelas vezes quando eu digo que aqui é sempre quente e sinto mim dizer: “O que inveja, como desejo que eu estivesse em seu lugar, eu gostaria de viver em um lugar assim.” Ficamos 15 meses sem chuva, a terra seca, o gado com sede, as vacas que comem a planta da palma, porque é a única planta que é resistente à seca; as pessoas estão com sede e com fome.

Durante uma reunião com os líderes de várias comunidades da cidade, uma senhora, quando foi perguntado o que aconteceu de melhor naquele mês em sua comunidade, ela respondeu: “Antes a gente morria de sede e de fome, agora felizmente temos um pouco de agua “(depois de uma garoa de algumas horas).

Digo isso porque temos que aprender a reclamar menos, a perceber como temos sorte; eu quero falar para os nossos jovens, porque temos que ter a coragem de levantar-nos daquele sofá de que o Papa Francisco fala tanto e lutar por todas aquelas pessoas que não têm voz e cujos direitos são pisados.

Minhas histórias vem do outro lado do oceano, uma realidade tão longe; Aqui nós tentamos levantar, lutar e quem tem voz está pronto para gritar. Quero falar com vocês lá na Itália, de olhar para o seu ambiente, olhar para o seu próximo, olhar para o outro, que não têm voz, cujos direitos não são respeitados; aprenda a ver uma pessoa no outro, alguém que tem dignidade.

Devolvemos dignidade às pessoas!!

Aprendemos a ser menos hipócrita e falso, parar de dizer que as crianças pobres sempre sorrir, chorar na frente de cenas devastadoras na TV, isso não nos faz pessoas melhores. São nossos gestos que contam !!

Alguém me disse:

“Porque agora você também está preocupada com a falta de água Bahia?”

Eu vivo aqui, aqui eu abri meu coração, aqui criei laços que nunca serão quebrados, aqui as pessoas que eu amo tem que lutar um pouco mais do que em outras partes do mundo, a fim de encher a barriga. Não sempre pode se escrever coisas bonitas, não sempre pode ficar em silencioso para evitar ser pesado e desagradável.

Estou com medo de voltar para a Itália porque eu sei que eu nunca vou ser capaz de ficar em silêncio, escutando passivamente.

Desculpe se as minhas palavras são um poucos confusas, mas é a confusão que me faz companhia nessas últimas semanas.

Concluo com esta frase de Albert Einstein:

“A mente que se abre a uma nova ideia, jamais voltará ao seu tamanho original.”

 

Vanessa, Missionária – Nova Redenção – Ba

Liturgia Diária
Parceiros que nos apoiam
Curtam Nosso Facebook
Cúria

No CTL (Centro de Treinamento de Líderes) de Ruy Barbosa Rua Antônio Novais s/n, Folga, Ruy Barbosa.
(75) 3252-1001

Economato

Segunda a Sexta Feira das 09:00hs às 12:00hs e 14:00hs às 17:hs.
Tel. 075/3252.2106

Chanceler

Atendimento na Quarta Feira das 09:00 hs às 12:00hs.
Tel. 75 99234 0257 / 99820 5286