Homilia de posse de Dom Estevam

HOMILIA DA POSSE DE DOM ESTEVAM DOS SANTOS SILVA FILHO NA DIOCESE DE RUY BARBOSA – BAHIA
12 de julho de 2020

​Excelentíssimo e Reverendíssimo Senhor Arcebispo Metropolitano de Feira de Santana, Dom Zanoni Demettino Castro, meu conterrâneo e amigo. Permitam-me deixar de lado o protocolo e chamá-los todos de meus irmãos e minhas irmãs, aqui reunidos na igreja Catedral de Santo Antonio, representando todo o povo de Deus desta querida Diocese de Ruy Barbosa: os padres, diáconos, consagrados e consagradas, leigos e leigas, maioria do povo de Deus, seminaristas e vocacionados, que por motivo da pandemia não estão aqui presencialmente, mas nos acompanhando pelas redes sociais.

​Minha saudação especial a Dom André de Witte, 4º Bispo desta Diocese, ao qual agradeço imensamente sua generosa acolhida, desde o momento do anúncio de minha nomeação, pelo Papa Francisco, no dia 15 de abril. Agradeço ao senhor, por seu incansável trabalho à frente desta Igreja Particular, especialmente junto aos pobres e mais necessitados, ao longo desses 26 anos de profícuo pastoreio. Minha saudação fraterna a Dom Carlos Alberto, Bispo de Juazeiro, representando a presidência e os demais bispos deste nosso Regional NE-3 da CNBB. O quanto eles gostariam de estar também aqui neste momento de Ação de Graças! Minha gratidão pelo carinho e mensagens enviadas.

​Minha cordial saudação ao Senhor Prefeito de Ruy Barbosa, Cláudio Serrado, na pessoa de quem saúdo os Prefeitos e demais autoridades constituídas deste e dos outros 21 Municípios que compõem esta Diocese.

​“O Semeador saiu para semear” (Mt 13, 1-9; 18-23). As parábolas são guias para se compreender o Reino de Deus, que é exigente e pressupõe o discernimento e acolhida da Palavra para, a partir daí, trilhar os caminhos da justiça de Deus. É este caminho que pretendo fazer convosco.

​Ontem pisei, pela primeira vez, este solo sagrado da Diocese de Ruy Barbosa, encravado no semiárido e aos pés da Chapada Diamantina. Venho com simplicidade e humildade, para continuar semeando convosco as sementes do Reino de Deus. Venho com o coração confiante, feliz e esperançoso. Estou confiante porque sei que a graça de Deus não falta aos seus. Ela nunca faltou ao longo de minha vida, no meu ministério presbiteral e episcopal. Hoje, peço licença para adentrar no solo fértil dos vossos corações e de vossas vidas. E por isso vos pergunto: posso entrar nessa casa e me fazer um com vocês?

​Assim, meus irmãos e irmãs, hoje inicio minha missão pastoral nesta querida Diocese de Ruy Barbosa, como seu quinto Bispo. Entro numa Igreja que tem uma tradição e uma grande história de 61 anos. Quero ser também um desses colaboradores neste belo caminho de fé e missão. Recebo uma herança que o Senhor construiu, através da dedicação e doação generosa de bispos, padres, religiosos(as), diáconos, leigos e leigas. Dentre estes, relembro os meus predecessores que por aqui passaram. Grandes homens de Deus e cheios de ideais, fazendo seus sonhos tornarem-se realidade: Dom Epaminondas José de Araújo (falecido há 20 anos); 1º Bispo Diocesano de Ruy Barbosa; Dom José Adelino Dantas, 2º Bispo desta Diocese, (falecido há 27 anos); Dom Mathias William Schmidt, O.S.B., 3º Bispo de Ruy Barbosa, (falecido há 28 anos, com apenas 61 anos de idade); e o nosso Dom André de Witte, 4º Bispo Diocesano e meu antecessor imediato que dedicou sua vida na condução desta Igreja nos últimos 26 anos.

​Todos buscaram perfazer esse caminho que o Evangelho de hoje nos apresenta, do semeador que sai espalhando as sementes no meio de espinhos e terrenos diversos, e que depois surgem como frutos que se multiplicam. Precisamos aprender sempre mais com os verdadeiros semeadores missionários! E como já mencionamos, dentre eles destacamos tantos leigos e leigas catequistas e missionários, que aqui chegaram bem antes, mexeram com a terra, retiraram pedras e enfrentaram espinhos.

​Nesta trilha missionária em vista da construção do Reino de Deus, não poderia deixar de citar aqui um importante instrumento e guia que muito contribuirá para a nossa missão pastoral, o atual Plano Pastoral desta Diocese, aprovado na última Assembleia Diocesana, elaborado à luz das Diretrizes da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil. O Plano Pastoral, contextualizado no Evangelho do semeador, quer ser um impulso à “Igreja em saída” tão motivada pelo amado Papa Francisco. A Igreja é uma família, um lar, uma casa de acolhimento e de amor. Nela, os ausentes são tão importantes que, os que estão em casa, vão à procura deles com seus círculos bíblicos, com suas santas missões e com os seus pilares do pão da Palavra, da caridade e da missão.

​O Papa Francisco na exortação “Gaudete et Exsultate” motiva 5 metas para a caminhada rumo à santidade e, consequentemente, para todos os semeadores que saem a semear:

  1. A tolerância, paciência e mansidão. Somente com a humildade de Cristo, com mansidão e tolerância é que se semeia nas pegadas de Cristo.
  2. Alegria e sentido de humor. No solo dos corações, somente a alegria tem o rosto do Semeador que é Jesus Cristo. Viver com alegria e sentido de humor, sem perder o realismo. Ser Cristão, nos lembra o Papa Francisco, é “alegria no Espirito Santo”.
  3. Ter parrezia, isto é, ter entusiasmo pastoral. Jesus, o semeador do Pai ia ao encontro de todos dizendo: não tenhais medo! (Mc 6,50). “Eis que estou convosco todos os dias, até o fim dos tempos (Mt 28,20). Ousadia, entusiasmo, falar com liberdade, ardor apostólico, tudo isso está contido no termo parrezia e se encontra no plano pastoral diocesano, extraído das Diretrizes da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil.
  4. Viver em Comunidade: A comunidade é o espaço teologal onde Deus se encontra de uma forma muito visível. Isolados, perdemos o sentido da realidade, a clareza interior. A santificação é um caminho comunitário que se deve fazer sempre dois a dois, como recorda o Papa e tão bem entendemos no Evangelho de hoje. Nas mais de 600 comunidades aqui da Diocese de Ruy Barbosa, e nas comunidades de todo este imenso Brasil, somos chamados a imitar Jesus, que prestava atenção aos detalhes, desde a ovelha perdida, o vinho que faltava e a viúva que só tinha duas moedinhas para oferecer.
  5. A quinta característica do semeador que trilha os caminhos da santidade é a oração constante. A suplica é a expressão do coração que confia em Deus, pois sabe que sozinho não consegue. Uma espiritualidade encarnada, à luz da Leitura Orante da Palavra de Deus, mais doce que o mel (Sl 119/118) e “espada de dois gumes”(Hb 4,12), consente em nos determos na escuta ao Mestre, fazendo de sua Palavra farol para os nossos passos e luz para os nossos caminhos (Sl119).

​Caros irmãos, em nosso Plano Pastoral, intitulado Comunidade de Comunidades/Paróquia Missionária, a Igreja é chamada de Igreja Discípula/Servidora; Igreja acolhedora e Igreja Missionária. O Pilar da Caridade descreve que, “amar a Deus e ao próximo sem caridade, a oração não é cristã.” Recorda-nos também que a própria oração eucarística reza: “dai-nos olhos para ver as necessidades e os sofrimentos dos nossos irmãos e irmãs; inspirai-nos palavras e ações…”. As questões sociais, a defesa da vida, quanto os desafios ecológicas tão presentes em nossa Diocese é um tesouro que devemos manter com postura de diálogo e de verdadeiro testemunho de serviço.

​Certo de que as portas dos vossos corações estão abertas, o novo Bispo chega desejando tocar, primeiramente, os corações de todos os que nessa pandemia, causada pela COVID-19, estão sentindo o efeito de outras grandes epidemias que já nos atingiam, mas não nos dávamos conta, como a epidemia da indiferença, do racismo, das desigualdades sociais e de tantas outras. O Bispo assegura, desde já, suas orações pelos doentes, entristecidos, idosos, jovens e pelas crianças. Também pelos poderes constituídos para que governem com justiça, e por todos os que nessa pandemia estão priorizando a vida, ficando em casa e cuidando dos mais vulneráveis.

​Enquanto rezo por vocês, peço também a todos os meus diocesanos que rezem muito pela minha santificação e santificação do nosso clero, este clero que reza por vocês e com vocês, este clero que vos distribui as graças oriundas do céu, que batiza, confessa, escuta, aconselha, doa-se de domingo a domingo, mas que também é humano, cheio de fraquezas e cercado de tentações. Necessitamos de vossas orações. Rezem também para que Nosso Senhor faça surgir numerosas e santas vocações, pois a messe é grande e poucos são os operários.

​Por fim, imploro que Santa Dulce dos Pobres, tão devota de Santo Antônio, nosso excelso padroeiro, aos pés da Mãe Aparecida, padroeira do Brasil, abençoe-nos para sermos verdadeiros semeadores da paz e da bondade do Senhor. Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo!

Liturgia Diária
Parceiros que nos apoiam
Curtam Nosso Facebook
Cúria

No CTL (Centro de Treinamento de Líderes) de Ruy Barbosa Rua Antônio Novais s/n, Folga, Ruy Barbosa.
(75) 3252-1001

Economato

Segunda a Sexta Feira das 09:00hs às 12:00hs e 14:00hs às 17:hs.
Tel. 075/3252.2106

Chanceler

Atendimento na Quarta Feira das 09:00 hs às 12:00hs.
Tel. 75 99234 0257 / 99820 5286